Um super resumo do SPFWn48


Na última semana, aconteceu o SPFW, evento de moda tão esperado por muita gente do mundo fashion (e até aqueles não tão fashion assim).

Com a Ellus dando início aos desfiles, o desfile a céu aberto no Centro de Sao Paulo no domingo a noite juntou nomes como Lucas Lucco, Matheus Verdelho e Léo Piccon no seu casting. Os looks tinham uma pegada mais sóbria, com calcas cargo e cintos utilitário, alem de cores frias como cinza, verde militar e preto.

No Projeto Estufa, que ja falei um pouco aqui, tivemos nomes como Korshi 01, ÃO, Victor Hugo Mattos, Mipinta, Aluf e Lucas Leão, que visam a sustentabilidade e novas maneiras de criar moda.

Marcas com um toque mais elegante porém sem perder o clássico como Glória Coelho, Reinaldo Lourenço e Lilly Sarti vieram com uma grande variedade de vestidos e looks um pouco mais trabalhado, o que também não ficou por fora dos desenhos de Victor Hugo Mattos e todo o crochê e pedraria.

Ja a Cavalera, com a coleção “Resista”, transformou o desfile num show: vendedores ambulantes dando água para a platéia, figurantes de todas as etnias serviram de apoio para a passarela e os modelos inovaram com homens usando saia, modelos entrando em dupla, mulher de skate na passarela, e uma verdadeira festa no final de tudo.

Outro show também tivemos com a Amapô, que trouxe cores aos looks, uma ambientação nortista e teve também dança regional.

Para quem queria curtir um pouco mais, o evento trazia uma área com bar e telão, reproduzindo os desfiles.

Outro diferencial também foi a parceria do SPFW com a Secretaria Municipal de Pessoas com Deficiência, em que os desfiles tiveram áudio descrição e tradução em libras, pela primeira vez entre as 48 edições. 

Além disso, o espaço contava com stand da marca Truss, de produtos de cabelo, onde acontecia uma ação para doação de cabelo (achei muito legal!!); um lugar de talks com o apoio do Santander e FoodTrucks para a hora da fome (mesmo contando com poucas opções, principalmente para as pessoas que estavam ali à trabalho e ficavam no evento o dia todo).

Apesar de tudo isso, senti que o evento retrocedeu um pouco, e é impossível compará-lo a uma semana de moda internacional. Desde a comunicação entre os que estavam lá a trabalho (segurança, assessorias e etc), até falta de um apoio maior para a imprensa… Mas isso já sabemos que vem de uma falta de apoio maior e patrocínio, o que torna o evento no Brasil um pouco mais complicado para ser realizado e para as marcas também mostrarem que estão no jogo.

Enfim… Nos vemos na próxima edição!!